Tudo errado

Estava tudo tão perfeitamente errado para que desse certo, era sempre assim que iniciava tudo, assim driblava o tédio. Ela iria ficar com ele, isso nem tinha sido ele a decidir, tinha sido ela.

Toda vestidinha de latex para esconder a sua essência não lhe tinha escapado, a Betty Boop tinha uma casinha na Reboleira e gostava de se enfeitar com agulhinhas, uma querida com vozinha de cona, o exagero, aos quarenta, os homens querem alguém que os salve da ordem natural das coisas, lá estava ela, toda artilhada, toda construída por camadas com um esoesqueleto hipnotizante, ficaria a assistir de camarote, estava na fase do linho das roupas confortáveis e uma casinha junto à praia, neutro artesanato de vida.

publicado por Isabel Afonso às 13:11 | link do post | participe