Excelente poema " Autocarro dos pesadelos"

O autocarro dos pesadelos

O autocarro dos pesadelos
vi-os deitar as minhas tias em sacos de plástico negro
e nos cantos dos sacos acumulava-se o sangue morno delas
(mas eu não tenho tias)
soube que tinham matado Natacha – a minha filha de três anos
(mas eu não tenho filha)
disseram-me que eles tinham violado a minha mulher antes de lhe arrojarem o corpo
pelas escadas e de o deixarem na rua
(mas eu não sou casado)
foram de certeza os meus óculos que foram esmagados debaixo das botas deles
(mas eu não uso óculos!)
...
dormia eu em casa dos meus pais e sonhava em viajar até à casa dela, e quando
acordei:
vi os meus irmãos
pendurados no telhado da igreja da Ressurreição.
dizia o Senhor por piedade: esta é a minha dor.
e eu recolhia o orgulho dos enforcados e dizia: não, esta é a nossa dor!
...
a dor ilumina e torna-se-me mais querida que os meus pesadelos
...
não fugirei para norte
Senhor
não me contes entre os que procuram refúgio
– fecharemos estas contas mais tarde–
agora tenho de ir dormir:
não quero chegar atrasado ao autocarro dos pesadelos
o que vai para Sabra e Chatila...
Najwân Darwîsh Tradução preliminar do árabe: André Simões
باص الكوابيس
publicado por Isabel Afonso às 21:59 | link do post | participe