Propósitos renovados

Bandida

Selvagem

Embrulhaste a ética Kantiana

e os dez mandamentos do teu catecismo

num arame farpado

e ofereceste ao teu amor

um lanche estendido num prado verde

rasgaste a tua alva pele

e ele sujou-se de vermelho

Bandida

Sugaste o néctar das flores

e roubaste as jóias da princesa

Bandida

E agora estás perante as leis da natureza

Que vença o mais forte

Bandida

Vomitas o teu cinismo pela madrugada

e dormes como um arcanjo

Bandida

Despojada de ética,

afligem-te aqueles que também não a têm

Ah minha bandida,

viesse alguém abençoar a tua alma com alguma hipocrisia

 

Isabel Afonso

              e

O bandido que sabia latim

era uma vez

um bandido que sabia

latim por tintim

Paulo Leminski

publicado por Isabel Afonso às 22:20 | link do post | participe