O meu pai

   O meu pai tem a mania que é imortal, não viu os meus avós morrerem porque estava em África a caçar elefantes, num lugar onde tudo era novo, os mais velhos eram sempre velhos sobas de cor negra, a arrogância colonizadora não lhe permitiu apreciar a sua sabedoria.

"Ontem, não, sábado, na consulta, perguntei a idade a um velho muito velho, com um pau a servir de bengala em cada mão. Respondeu o Séneca que nós os brancos é que sabemos escrever, e que eles, os pretos, só sabem nascer! Há-de haver Homeros neste fim do mundo de pantanosas areias... A gente ouve coisas que nos deixam em estátuas de sal!" (António Lobo Antunes, "D'este viver aqui neste papel descripto")

publicado por Isabel Afonso às 19:57 | link do post | participe