Domingo, 30.09.12

Lavorare Stanca

O senhor a quem devem ser atribuidas responsabilidades sobre o ócio de um grupo de comentadores de um blog que chafurda na mediocridade por falta de trabalho e empenho, mas cheio de sentimentos, todos ....de toda a natureza

publicado por Isabel Afonso às 12:13 | link do post | participe
Quinta-feira, 27.09.12

Olhe, um café e um momento de solidão por favor

Oh que vontade de me afundar em penas brancas, muitas, leves e esvoaçantes, uma invasão de leveza, era disso que precisava, o mundo enfada-me, estou farta de gente, das conversas sobre os ginásios, os filhos, os netos, mandava-as a Londres comprar gengibre, se pudesse, assim esquivo-me por entre os intervalos da chuva.

Chove...

Sempre que te falo deste jeito, lá vens tu com o discurso de Montaigne que fala dessa malvada doença que consiste em desprezar o nosso semelhante, que se lixe o Montaigne, eu por mim ficava aqui, envolta em penas brancas a ouvir a chuva a cair, assim tenho que me ir deitar , enrolar-me  em cobertores cinzentos e programar o despertador para me voltar a conectar com o mundo.

O despertador há-de cumprir a função de me despertar a dor e tu ficarás tranquilo porque amanhã ainda que dolorosamente lá estarei no meio da azafama matinal que nos arrumará a existência em gavetas, a roçarmo-nos uns nos outros numa promiscuidade que me mete nojo...cada vez tenho mais nojo dessa existência programada...

Esquivar-me-ei sempre que puder, umas vezes para um lado outras para outro, para cima, para baixo...espreitar-me-ão por entre os cortinados, só terão acesso ao que criteriosamente seleccionei para satisfazer a curiosidade de matronas entregues aos napperons, que se lixem com as frustrações de não poderem andar na rua com os efeitos do fotoshop.

 

publicado por Isabel Afonso às 23:18 | link do post | participe | ver comentários (4)
Segunda-feira, 24.09.12

A um conhecido

Vais ter de andar por cá, dificilmente terás coragem para te suicidares no sentido físico do termo, és bastante novo, sei por onde andas, embora o meu trilho não seja o mesmo que o teu, somos diferentes, semelhantes naquilo que é essencial, gostava tanto de te dizer para teres calma, para mudares essa forma de te veres livre das pessoas, o que te fez ela, a tua mãe, para te tornares assim, incomodas-me, sempre me incomodaste, mesmo antes de trocarmos as primeiras palavras, foi como te conhecesse há muito tempo de outras histórias, uma sensação de tal forma arrebatadora envolta de embargo.

Não temo os sentimentos, sejam eles de que natureza forem, inspiras-me cuidados.

publicado por Isabel Afonso às 18:51 | link do post | participe
Domingo, 23.09.12

O decoro

"Ué. Todos quietinhos por aqui, sentadinhos em seus lugares? Ninguém puxando cabelos alheios, mordendo orelhas, gritando ou sapateando? Parecem todos saudáveis, nem dá para pensar em alguma bendita epidemia que lhes drene a vitalidade antes de os levar ao hospital.

Bem, eu não sou de examinar as amígdalas ao cavalo dado.  Além de os elogiar por este bom comportamento, vou começar a explicar de onde vem essa palavra. É do Latim comportare, “trazer junto”, formado de com-, “junto, com”,  mais portare, “carregar, transportar”. Mais tarde adquiriu também o sentido de “arrumado, corretamente disposto, bem arranjado”.

Era assim que eu gostaria que vocês estivessem sempre, para poder ter uma folga do meu contato com os demônios que… Deixa para lá.

Essa palavra me lembra outra, que é gentileza. Esta deriva do Latim gentilis, “da mesma família ou clã”, de gens, “grupo de famílias definido no início da formação de Roma”, trazendo uma idéia de nobreza, de bem-tratar os outros.

Daí derivou também gentílico, (sinônimo: locativo) que é o nome dado à palavra que designa “origem”. Por exemplo, o nativo do Espírito Santo é capixaba, o de Buenos Aires bonaerense e assim por diante.

Podemos pensar também em cavalheirismo, “comportamento próprio de um cavalheiro”, do Latim caballarius, “cavaleiro”, de caballus, “cavalo”. Não, Valzinha, não queremos saber por que o seu tio Cícero é chamado de “cavalo” pelo resto da família nem as coisas que ele fez no último réveillon usando apenas cuecas e um balde na cabeça.

O que quero dizer é que um militar da cavalaria, em Roma, era uma pessoa de superior extração e, portanto, se devia esperar dele um comportamento cortês.

Palavra que, aliás, veio do Latim cors, originalmente “lugar cercado”, o que levou depois ao significado de “os que estão num pátio, companhia” e depois ainda “corte” – aqueles que estão nas cercanias do poder real.

Esperava-se também destas pessoas que tivessem maneiras refinadas e superiores. Nem sempre isso acontecia, mas a esperança humana nunca termina. Não fosse por isso eu teria desistido de ensinar há muito tempo.

Maneiras, por sua vez vem do Latim manuarius, “relativo à mão”,  de  manus, “mão”. Acabou adquirindo o significado de “modo de proceder, comportamento”, através da noção de “modo adequado de se fazer algo, método de manejar satisfatoriamente uma situação”.

Tudo isso é necessário para se poder viver em sociedade sem atritos.  Tal palavra vem do Latim societas, “convívio mútuo, união”, de socius, “companheiro, camarada”, originalmente “seguidor”, do verbo sequi, “ir atrás, seguir, acompanhar”.

Outro derivado de sequi é sequaz, “o que faz parte de um grupo”, “parceiro de um criminoso”.

Não, Robertinho, “sequoia” não tem a mesma origem. O nome desta árvore – algumas das quais são os seres vivos maiores e mais antigos do mundo – deriva do nome de um índio Cherokee nascido ao redor de 1770. Vendo a escrita do homem branco e ficando fascinado por ela, ele fez, trabalhosamente e sem ajuda, um conjunto de sinais representando as sílabas do seu idioma, que é usado até hoje por esses indígenas.

As árvores fora nomeadas em homenagem a ele, que foi o único ser humano que realizou tal façanha sozinho.

De qualquer modo, viver juntamente com outras pessoas exige, entre outras qualidades, decoro, do Latim decorum, “decência, conveniência”, do verbo decere, “convir, ser adequado”, origem também de “decente”.

E não, Valzinha – você está impossível hoje – não queremos saber de exemplos de falta de decoro que ocorrem no seu edifício entre o síndico e a sogra do vizinho da frente, obrigada. Preferimos estudar e aprender.

Em sociedade é conveniente seguir a etiqueta, sem chegar ao exagero. Esta deriva do Francês antigo  estiquette, “marcador”, que era o nome dado a pequenos impressos orientando sobre como proceder adequadamente na Corte.

Devia ser divertido ver uma pessoa menos conhecedora da conduta palaciana se escondendo atrás de uma cortina para poder consultar seus papeizinhos.

Bem, estranhamente chegou a hora de vocês saírem da aulinha e não precisei ter nenhum chilique nem gritar com ninguém nem separar nenhum par de gatos selvagens em briga.

Ainda não entendi nada, mas lhes dou os parabéns."

Autor desconhecido

publicado por Isabel Afonso às 11:32 | link do post | participe
Sexta-feira, 21.09.12

Hora do marquês

publicado por Isabel Afonso às 00:31 | link do post | participe
Quinta-feira, 20.09.12

Dedicado a "efoi"

publicado por Isabel Afonso às 20:57 | link do post | participe | ver comentários (1)
Terça-feira, 18.09.12

Estratégia

Sempre fui ingénua, não por ser parva mas por ter a certeza que só assim poderia experimentar o mundo, como actualmente as relações entre pessoas se reduziram à dialéctica  redutora entre dominadores e dominados, às vezes essa ingenuidade parece despertar o apetite voraz de predadores, mal  sabem que sou senhora de um strap on em pele genuína, caso não saibam do que se trata posso explicar.

publicado por Isabel Afonso às 19:20 | link do post | participe | ver comentários (9)

As aves mudam de penagem

Parece-me bem...

 

publicado por Isabel Afonso às 19:05 | link do post | participe
Segunda-feira, 17.09.12

Estranho

Acho que vou passar a gerir as fortunas dos meus amigos que vão para o Brasil, na boa, eu fico cá com os carros que ninguém quer comprar, com as casas onde não podem viver, durante a semana passada fui convidada para gerir estas cenas, nunca me tinha acontecido uma coisa destas, merecedora de um estudo de caso.

 

publicado por Isabel Afonso às 22:13 | link do post | participe
Domingo, 16.09.12

Los monos de Gibraltar

publicado por Isabel Afonso às 12:09 | link do post | participe

mais sobre mim

pesquisar neste blog

 

Setembro 2012

D
S
T
Q
Q
S
S
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
19
22
25
26
28
29

últ. comentários

  • Gostei do livro.http://numadeletra.com/a-casa-dos-...
  • nada tem a ver contigo...mas comigo ;)
  • Acabo de observar que o teu blog ficou privado. Se...
  • não se pode baixar as guardas ;)
  • Não há problema, eu não levo a mal . E carrascos s...
  • menos mal...é porque não há ninguém à altura (não ...
  • E como o podemos fazer? Se tantas vezes somos nós...
  • Notei a ausência,É sempre bom vir por aqui ...Saú...
  • é o que sei fazer...para o bem e para o mal...cois...
  • Tens a noção de como estão brilhantes estas palavr...

Posts mais comentados

arquivos

favoritos

subscrever feeds

blogs SAPO